Diante de tantas notícias sobre esse "Evangelho de Judas", resolvi publicar uma entrevista esclarecedora. Espero que você leia com atenção e possa entender as artimanhas marketeiras de pessoas anti-cristãs. Falar mal da Igreja e inventar a história, manipular fatos, dados, e distorcer até a semântica das palavras, não é iniciativa isolada de um escritor polemista. A cada dia vemos um novo estilo literário se fortalecendo, a LITERATURA ANTI-CRISTÃ! Polêmica, Religião e Dinheiro fazem parte desse mix, que parece que continuará dando "certo" por muito tempo...
Boa leitura!!!
Diego Fernandes
Entrevista com o padre Thomas Williams, decano de teologia
ROMA, quinta-feira, 6 de abril de 2006 (ZENIT.org).- «National Geographic» anunciou sua intenção de publicar uma tradução em vários idiomas de um antigo texto chamado «O Evangelho de Judas», no final deste mês. O manuscrito de 31 páginas, escrito em copta, encontrado em Genebra em 1983, não aparece até agora traduzido nas línguas modernas. Zenit pediu ao padre Thomas D. Williams L.C., decano da Faculdade de Teologia da Universidade Regina Apostolorum, em Roma, que comente a importância desta descoberta.
--O que é o Evangelho de Judas?
--Padre Williams: Mesmo que o manuscrito ainda deva ter autenticação, provavelmente é um texto do século IV ou V, uma cópia de um documento anterior, redigido pela seita gnóstica dos Cainitas. O documento apresenta Judas Iscariotes de maneira positiva e o descreve obedecendo à ordem divina de entregar Jesus às autoridades para a salvação do mundo. Pode ser uma cópia do «Evangelho de Judas» citado por Santo Irineu de Lyon em sua obra «Contra as heresias», escrita em torno ao ano 180.
--Se é autêntico, supõe algum desafio à fé da Igreja Católica? Abalará as bases do cristianismo, como sugerem algumas notas de imprensa?
--Padre Williams: Certamente não. Os evangelhos gnósticos --há muito outros-- não são documentos cristãos em si, já que procedem de uma seita sincretista que incorporou elementos de diferentes religiões, incluindo o cristianismo. Desde o momento de sua aparição, a comunidade cristã rejeitou estes documentos por sua incompatibilidade com a fé cristã. O «Evangelho de Judas» seria um documento deste tipo, que teria grande valor histórico, já que contribui a nosso conhecimento do movimento gnóstico, mas não supõe nenhum desafio para o cristianismo. --É verdade que a Igreja tentou encobrir este texto e outros documentos apócrifos? --Padre Williams: Estas são invenções lançadas ao público por Dan Brown, o autor de «O Código Da Vinci», e outros autores que apóiam a teoria da conspiração. Você pode ir a qualquer livraria católica e obter uma cópia dos evangelhos gnósticos. Os cristãos não crêem que sejam verdadeiros, mas não há nenhum intento de escondê-los.
--Mas não crê que um documento assim põe cheque as fontes cristãs, em particular os quatro evangelhos canônicos?
--Padre Williams: Recorde que o gnosticismo surgiu em meados do século II, e o «Evangelho de Judas», se autêntico, provavelmente remonta ao final do século II. Seria como se eu me pusesse a escrever agora um texto sobre a Guerra Civil dos Estados Unidos e o apresentasse como uma fonte histórica primária dessa Guerra. O texto poderia não ter sido escrito por uma testemunha presencial, como ao contrário o são ao menos dois dos evangelhos canônicos.
--Por que os militantes no movimento gnóstico estavam tão interessados em Judas?
--Padre Williams: Uma das maiores diferenças entre as crenças gnósticas e o cristianismo refere-se às origens do mal no universo. Os cristãos crêem que um Deus bom criou um mundo bom, e que pelo abuso do livre arbítrio, o pecado e a corrupção entraram no mundo e produziram desordem e sofrimento. Os gnósticos atribuem a Deus o mal no mundo e afirmam que criou o mundo de um modo desordenado. Por isto, são partidários da reabilitação de figuras do Antigo Testamento como Cain, que matou seu irmão Abel, e Esaú, o irmão mais velho de Jacó, que vendeu seus direitos de primogenitura por um prato de lentilhas. Judas entra perfeitamente na visão gnóstica que mostra que Deus quer o mal do mundo.
--Mas não crê que a traição de Judas foi um elemento necessário do plano de Deus, como sugere o texto, para que Cristo desse sua vida pelos homens?
--Padre Williams: Sendo onisciente, Deus conhece perfeitamente nossas eleições, tem em conta inclusive nossas decisões equivocadas em seu plano providencial para o mundo. Em seu último livro, «Memória e identidade», João Paulo II refletiu eloqüentemente sobre como Deus segue obtendo o bem inclusive do pior mal que o homem possa produzir. Isto não significa, contudo, que Deus deseje que façamos o mal, ou que buscava que Judas traísse Jesus. Se não tivesse sido Judas, teria sido outro qualquer. As autoridades haviam decidido que Jesus devia morrer e era já só questão de tempo.
--Qual é a posição da Igreja com respeito a Judas? É possível «reabilitá-lo»?
--Padre Williams: Ainda que a Igreja Católica conta com um processo de canonização pelo qual declara que algumas pessoas estão no céu, como os santos, não prevê um processo deste tipo para declarar que uma pessoa está condenada. Historicamente, muitos pensaram que Judas está provavelmente no inferno, devido ao severo juízo de Jesus: «Teria sido melhor para este homem não ter nascido», pode-se ler no Evangelho de Mateus (26, 24). Mas inclusive estas palavras não são uma evidência concludente com respeito a sua sorte. Em seu livro de 1994 «Cruzando o limiar da esperança», João Paulo II escreveu que estas palavras de Jesus «não aludem à certeza da condenação eterna».
--Mas se há alguém que merece o inferno, não seria Judas?
--Padre Williams: Seguramente muita gente merece o inferno, mas devemos recordar que a graça de Deus é infinitamente maior que nossa debilidade. Pedro e Judas cometeram faltas parecidas: Pedro negou Jesus três vezes, e Judas o entregou. E agora Pedro é recordado como um santo e Judas simplesmente como um traidor. A principal diferença entre os dois não é a natureza ou gravidade de seu pecado, mas sim a vontade de aceitar a graça de Deus. Pedro chorou seus pecados, voltou a Jesus, e foi perdoado. O Evangelho descreve Judas enforcando-se desesperado.
--Por que está despertando tanto interesse o «Evangelho de Judas»?
--Padre Williams: Estas teorias sobre Judas não são certamente novas. Basta recordar a ópera rock em 1973, «Jesus Cristo Superstar», na qual Judas canta «Realmente não vim aqui por minha própria vontade», ou a novela de Taylor Caldwel de 1977, «Eu, Judas». O enorme êxito financeiro de «O Código da Vinci» abriu sem dúvida a caixa de Pandora e deu incentivos monetários a teorias deste tipo. Michael Baigent, autor de «Sangue Santo, Santo Graal», agora escreveu o livro «The Jesus Papers» (Os documentos de Jesus), no qual recicla a velha história de que Jesus sobreviveu à crucifixão. E um novo estudo «científico» recém-publicado afirma que as condições meteorológicas poderiam ter feito que Jesus caminhasse sobre um pedaço de gelo flutuante no Mar da Galiléia, quando o Evangelho diz que caminhava sobre as águas. Basicamente, para quem rejeita taxativamente a possibilidade dos milagres, qualquer teoria, por estranha que possa ser, é melhor que as afirmações cristãs.
*(Todos os grifos do texto são meus)

5 Comments

  1. KELLY Says:

    Putz, valeu por esclarecer essa situação!
    É a questão de "DIVIDIR PARA DOMINAR" acontecendo para nós.
    Não podemos nos deixar levar por todas essas coisas que andam dizendo de nossa religião.
    Temos que acreditar plenamente Naquele que tudo fez e que tudo pode.
    Isso acaba denegrindo a imagem Deus e confundindo os que ainda não entendem a própria religião, abrindo margem para mais pessoas se perderem.
    Vamos nos unir para que tudo o que ainda possa acontecer seja tão bem esclarecido como esse fato.

    Fica com Deus e obrigada!
    bj bj bj

     
  2. ronald Says:

    Bom, tem um lado bom esse tipo de publicação: é que a curiosidade pode levar muitos cristãos a tentarem entender detalhes de sua fé que nem imaginavam existir...o ceticismo inicial provocado pela promoção das idéias contidas nestas obras pode levar a um maior conhecimento da verdade, ensinada com carinho pela Santa Mãe Igreja.

     
  3. Lucas Mendes Says:

    PARABÉNS, DIEGO, PELA PUBLICAÇÃO DESSA ENTREVISTA ESCLARECEDORA.

    AS TENTATIVAS DE MINAR A FÉ SÃO TANTAS QUE ESTAMOS EM FRANCA LUTA. É PRECISO DESMASCARAR ESSES FARSANTES, DISCÍPULOS DO MALÍGNO, A EXEMPLO DE MICHAEL BAIGENT E, AGORA, ESSE DAN BROWN.

    FRATERNO ABRAÇO!!!

     
  4. Dayane Simoes Says:

    Oi Diego,

    achei muito importante esse esclarecimento q esta entrevista nos dá.
    Precisamos ter acesso à essas informaçoes dadas por pessoas q são da igreja,porque isso a mídia não mostra de jeito nenhum.
    Copiei e enviei para todos os meus contatos de e-mail e listas q faço parte.....
    Precisamos divulgar a Verdade!!!

    "Conhecereis a Verdade e ela vos libertará"

    Amém!!!

     
  5. Dionea Oliveira Says:

    Diego, parabéns pelo serviço que prestas com esta postágem.